Dia Mundial dos Professores: líderes em tempos de crise, reinventando o futuro
Mais de 63 milhões de professores foram afetados pela crise da COVID-19. Mesmo assim, eles foram líderes na resposta à emergência educacional
Dia Mundial dos Professores

© "Woman working in her office with protective surgical mask" by Nenad Stojkovic is licensed under CC BY-NC-ND 2.0

Em colaboração com o UNICEF, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Internacional de Educação, a UNESCO celebra, em 5 de outubro, o Dia Mundial dos Professores. Neste ano, com o tema “Professores: líderes em tempos de crise, reinventando o futuro”, as comemorações vão de 5 a 12 de outubro e ganham ainda mais relevância pelo contexto da pandemia de COVID-19.

A crise educacional causada pela COVID-19 afetou mais de 90% da população escolar matriculada do mundo, quase 1,6 bilhão de estudantes no total, e mais de 63 milhões de professores, de acordo com a declaração conjunta de Audrey Azoulay, diretora-geral da UNESCO, Guy Ryder, diretor-geral da OIT, Henrietta H. Fore, diretora executiva do UNICEF, e David Edwards, secretário-geral da Internacional de Educação, por ocasião do Dia Mundial dos Professores 2020.

“Hoje celebramos coletivamente os professores por seu compromisso constante com seus alunos e por contribuir para o cumprimento, até 2030, das metas do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4”, afirmam Azoulay, Ryder, Fore e Edwards.

A liderança dos docentes durante a crise se reflete não só no que diz respeito ao ensino e ao currículo, mas também à gestão, eficiência, coordenação eficaz, monitoramento e avaliação de aprendizagem e desempenho, além de suporte socioemocional para estudantes e suas famílias. Ao refletir sobre o importante papel que os professores têm desempenhado nos últimos meses, é fundamental considerar também as condições de trabalho e bem-estar geral, em meio ao aumento da carga horária e todas as exigências relacionadas ao confinamento e à pandemia.

 

A situação na região

Os desafios à profissão docente impostos pelas desigualdades sociais na América Latina têm se acentuado no contexto atual. Surgiram novas preocupações para as quais os professores muitas vezes não estão suficientemente preparados, como a repentina demanda por ensino a distância, a educação no lar e o trabalho em situações estressantes. O fechamento de escolas obrigou os professores a replanejar e adaptar os processos educativos, o que inclui ajustes na metodologia e no planejamento das aulas, adaptação curricular, flexibilidade e contextualização, formulação de materiais e diversificação de meios, formatos e plataformas de trabalho.

Os professores tiveram que modificar ou condensar o currículo e dar continuidade às aulas, seja através da internet, do telefone celular, da televisão, do rádio ou de guias de trabalho para fazer em casa. Em muitos casos, sem muito assessoramento e com pouco tempo para se preparar, eles aprenderam rapidamente a usar a tecnologia para formular atividades de aprendizagem online, ou tiveram que preparar materiais didáticos personalizados para estudantes que não possuem uma boa conexão de internet.

A situação atual é ainda mais grave no caso das mulheres, que tendem a assumir mais responsabilidades no trabalho doméstico e no cuidado das crianças devido aos padrões culturais sexistas. E isso é muito relevante dada a marcada feminização da profissão docente na América Latina e no Caribe, onde a maioria dos professores são mulheres: 95,5% na pré-escola, 78,2% na educação primária e 57,8% na educação secundária.

Para responder a esses desafios, autoridades educacionais e docentes reiteraram, em vários seminários online realizados na América Latina e no Caribe, a necessidade de dispor de capacitação, assessoramento e recursos de ensino em diferentes formatos de educação a distância (seja em formato online, offline ou híbrido). O conjunto das diversas iniciativas realizadas pelos governos da região ao longo deste período pode ser consultado na Sistematização de respostas dos sistemas educacionais da América Latina à crise da COVID-19, organizada pelo IIPE UNESCO.

 

Planejando a recuperação da crise

Ainda existe uma alta demanda de capacitação e apoio para ser atendida. A liderança e a criação de redes de docentes são elementos-chave na educação, mas a crise atual ameaça enfraquecê-los. Será fundamental coletar informação e encontrar maneiras de sustentar e nutrir as redes profissionais de professores, bem como as relações entre professores e estudantes, suas famílias e comunidades, a fim de garantir o sucesso da aprendizagem. 

Levando em conta este cenário, os encarregados de formular políticas e as instituições formadoras de professores têm a oportunidade de criar um novo corpo docente talentoso, com uma mentalidade de liderança para perseguir os novos objetivos globais, regionais e nacionais que os países estão estabelecendo nestes tempos difíceis. A liderança dos professores será essencial para uma educação inclusiva e de qualidade, e para permitir uma compreensão mais ampla de seu papel, para além da função tradicional.

Sobre o Dia Mundial dos Professores

Celebrado anualmente em 5 de outubro desde 1994, o Dia Mundial dos Professores marca o aniversário da assinatura da Recomendação da OIT e da UNESCO sobre a Situação do Pessoal Docente (1966). A recomendação estabelece critérios de referência a respeito dos direitos e responsabilidades dos docentes e normas para a sua formação inicial e aperfeiçoamento, além de contratação, emprego e condições de ensino e aprendizagem. A recomendação relativa à Condição do Pessoal Docente do Ensino Superior foi adotada em 1997 para complementar a recomendação de 1966, abrangendo, dessa maneira, docentes e pesquisadores do ensino superior.

Ao adotar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS 4) na educação, e sua meta 4.c, que reconhece o papel fundamental dos professores no cumprimento das metas da Agenda Educação 2030, o Dia Mundial do Professor se tornou uma ocasião para destacar os progressos alcançados e refletir sobre as maneiras de enfrentar os desafios pendentes, a fim de promover a profissão docente.
 

Data